Escolha uma Página

As luzes misteriosas na Lua: um enigma ainda inexplicável

Um exemplo de Fenômeno Lunar Transitório – visto perto do terminador lunar, ou linha entre a luz e a escuridão na Lua, em 15 de novembro de 1953, por Leon H. Stuart em Tulsa, Oklahoma. Ele fotografou a luz com um telescópio de 20 cm. Imagem via Leon H. Stuart.

Nossa Lua há muito tempo é cercada por uma certa qualidade mística que nos mantém escravizados desde tempos imemoriais. Numerosas lendas, através das culturas, surgiram em torno dessa bola luminosa no céu, e ao longo da história estranhas histórias e lendas gravitaram em direção a ela. Um mistério muito curioso que há tempos rodeia a Lua são as luzes enigmáticas que costumam pontilhar sua superfície e para as quais não temos resposta.

O fenômeno, conhecido como “Fenômeno Lunar Transitório” (de sigla em inglês TLP), abrange a observação recorrente de flashes misteriosos de luz na superfície lunar, e estes podem assumir várias formas. Às vezes, aparecem como uma espécie de

névoa ou mancha brilhante, enquanto outros podem ser apenas uma mudança na coloração da superfície. Áreas brilhantes da região e ainda mais espetaculares são flashes momentâneos ou pontos de luz semelhantes a estrelas de longa duração com intensidade variável, bem como luzes cintilantes e brilhantes que podem durar de minutos a horas, muitas vezes em tom vermelho ou rosa.

O fenômeno dessas luzes misteriosas na Lua tem sido registrado há séculos, desde o século VI. Um dos relatórios “modernos” anteriores foi feito em 19 de abril de 1787, quando o respeitado astrônomo britânico Sir William Herschel observou três pontos vermelhos brilhantes na seção escura da superfície lunar, com os mais brilhantes sendo relatados como tendo uma luminosidade maior do que um cometa, e que ele supôs serem causados por erupções vulcânicas.

Essas luzes estranhas têm sido vistas regularmente até o século XX e além, com centenas e mais centenas de relatórios registrados, tanto por astrônomos profissionais quanto amadores de todo o mundo.

Finalmente, isso recebeu o nome de “Fenômeno Lunar Transitório” em 1968, quando o astrônomo britânico Patrick Moore escreveu sobre ele em um artigo de sua coautoria

chamado NASA Technical Report R-277 Chronological Catalog of Reported Lunar Events. Nesse mesmo ano, o Centro de Voo Espacial Goddard da NASA fez um relato espetacular do avistamento de um aglomerado de pontos semelhantes a estrelas na área escura da Lua. No ano seguinte, o fenômeno foi relatado pelos astronautas na missão Apollo 11, apenas um dia antes do pouso histórico na Lua, e o astronauta Michael Collins o descreveu:

Há uma área consideravelmente mais iluminada que a área circundante. Apenas tem – parece ter uma pequena quantidade de fluorescência. Uma cratera pode ser vista, e a área ao redor da cratera é bastante clara.

As missões posteriores da Apollo também teriam outras experiências com o fenômeno. Em 1972, os astronautas da missão Apollo 17 observaram a visão estranha em várias ocasiões. O piloto do módulo lunar Harrison Schmitt testemunhou a partir da órbita um clarão muito brilhante ao norte da cratera Grimaldi, e o piloto do módulo de comando Ronald Evans também viu um clarão um pouco mais fraco no dia seguinte nas proximidades de Mare Orientale. Porém, para todos esses avistamentos através dos séculos, ninguém sabe ao certo o que causa essas luzes misteriosas na Lua, e não sabemos muito mais sobre elas do que

há séculos, apesar do fato de serem observadas várias vezes por semana.

No entanto, existem teorias. Uma possibilidade é que isso seja causado pelo escape de gás das cavidades subterrâneas para a superfície. Também pode ser que essas anomalias de luz sejam causadas por atividade vulcânica, queda de meteoros, cargas ou descargas eletrostáticas causadas pelo vento solar, emissão de luz causada por fraturas de rochas, terremotos ou algum outro fenômeno sísmico ou uma combinação de todos os itens acima. Também pode ser possível que alguns relatórios sejam erros de identificação de fenômenos terrestres, más condições de observação ou mesmo, é claro, os responsáveis mais misteriosos, como alienígenas e OVNIs.

O fato de o fenômeno ter sido observado por tanto tempo e tão bem documentado, mas pouco compreendido, frustrou e desconcertou os astrônomos por décadas.

A natureza transitória e, muitas vezes, esporádica e transitória das luzes dificultou a documentação e o estudo adequados, e houve quem duvidasse de que seja mesmo um fenômeno lunar real. Nos últimos anos, houve esforços renovados para tentar entender os fenômenos, como a Associação de Observadores Lunares e Planetários e a Associação Astronômica Britânica, que estão

cooperando para tentar ficar de olho em onde as luzes foram vistas no passado. Há também o ambicioso sistema de telescópios instalado fora de Sevilha, na Espanha, pela equipe de Hakan Kayal, professor de tecnologia espacial da Universidade de Würzburg, na Alemanha. Este telescópio deve se dedicar a lançar um olhar fixo e inabalável em direção à Lua, equipado com inteligência artificial avançada e câmeras duplas, com o objetivo de detectar, confirmar, catalogar e registrar as luzes misteriosas, em um esforço para entender melhor seus segredos.

Por enquanto, a Lua continua piscando com frequência e cintilando à noite, e não temos ideia do porquê. É algum fenômeno natural, alienígena ou alguma mistura deles? Não sabemos mais agora do que há centenas de anos, e continua sendo apenas mais um dos muitos mistérios da Lua.

Fonte: ovnihoje.com

Confira nossa agenda 2020 atualizada!

Assista alguns vídeos de nosso canal!

A

Vídeo novo no canal. Assista agora mesmo!

Nossos parceiros

Nos siga nas redes sociais ou entre em contato conosco!

(51) 99924.5300

grafitecom@gmail.com

Seja sócio-contribuinte da Fraternidade
Mandar mensagem via WhatsApp