Fraternidade Cósmica
 
 
Café com Ufos
 
Livros - Lançamentos e Dicas de Leitura
 
Entrevistas com Autores
 
Fotos de OVNIs
 
Casos Ufológicos
 
Galeria de Fotos
 
Vídeos Ufológicos
 
 
 
 
Clima
 
 
Rachaduras no escudo magnético da Terra preocupam cientistas
* Clique na imagem, para ampliá-la.
 

Apesar de invisível, nosso planeta é cercado por uma espécie de bolha magnética chamada magnetosfera, criada pelos movimentos que ocorrem na região dos núcleos da Terra. Essa bolha é fundamental para a proteção do planeta contra as partículas emitidas pelo Sol, e sem ela a vida na Terra seria praticamente impossível.

No entanto, estudos recentes mostraram que algumas vezes essa bolha desenvolve grandes rachaduras que podem permanecer abertas por várias horas. Quando isso acontece, as partículas solares penetram em nosso planeta e ionizam a ionosfera a 160 km de altitude, produzindo os distúrbios geomagnéticos.

Foi isso que aconteceu em dezembro de 2010, quando os cientistas espaciais foram pegos de surpresa ao detectarem uma rápida tempestade geomagnética sem qualquer motivo aparente. A tormenta foi prevista com menos de duas horas de antecedência através de modelos matemáticos e provocou brilhantes auroras nas latitudes mais elevadas.

De acordo com os pesquisadores do Centro de Previsão de Clima Espacial dos EUA, SWPC, o fenômeno não havia sido causado pelas tempestades aleatórias que ocorrem na superfície solar, mas por uma rachadura que se abriu na magnetosfera da Terra e que permitiu que o vento solar penetrasse nas camadas mais elevadas da atmosfera.

Rachaduras geomagnéticas
Os primeiros trabalhos sobre as rachaduras na magnetosfera foram realizados em 1961, por Jin Dungey, do Imperial College, no Reino Unido. As pesquisas mostraram que a anomalia podia se formar quando o campo magnético das partículas vindas do Sol tinha orientação oposta à do campo magnético em algum ponto da Terra. Nessas regiões, os dois campos magnéticos podem se interligar através de um processo chamado "reconexão magnética", criando uma trinca no escudo através do qual as partículas eletricamente carregadas do vento solar poderiam fluir.

Em 1979, o cientista Goetz Paschmann, ligado ao laboratório de física extraterrestre do Instituto Max Planck, na Alemanha, detectou as rachaduras utilizando o satélite de exploração solar ISEE (International Sun Earth Explorer). No entanto, devido à órbita, o satélite permanecia pouco tempo sobre as falhas, não permitindo saber se as fendas eram temporárias ou se permaneciam estáveis por longos períodos.

As mais modernas observações começaram a ser feitas em 2003 com o auxílio do satélite IMAGE, especializado no estudo da magnetosfera. De acordo com as pesquisas, diversas auroras de prótons foram registradas sobre a região do Círculo Polar Ártico, alimentadas pelo vento solar que penetrava por rachaduras na magnetosfera. Em alguns casos essas fendas tinham o tamanho da Região Sudeste do Brasil e permaneciam abertas por mais de 9 horas ininterruptas. Outras observações mostraram rachaduras duas vezes maiores que a Terra a uma altitude de 60 mil quilômetros.

Tempestades preocupantes
A tempestade de 2010 foi classificada como de classe G1, de pequena intensidade, e por não ter sido causada por fortes distúrbios na superfície do Sol, não provocou alterações significativas no fluxo de raios-x registrado pelos satélites geoestacionários.

De acordo com os pesquisadores, a maior preocupação de uma tempestade geomagnética causada por uma rachadura na magnetosfera é que ela é praticamente impossível de ser detectada em tempo hábil. Ela pode ocorrer a qualquer momento e provocar sérios danos em redes elétricas, causando blecautes e apagões em qualquer parte do mundo.

 
 
+ Notícias
 
 
grafitecom@gmail.com | (51) 3249.3700 – 99924.5300