Café com Ufos
 
Livros - Lançamentos e Dicas de Leitura
 
Entrevistas com Autores
 
Fotos de OVNIs
 
Casos Ufológicos
 
Galeria de Fotos
 
Vídeos Ufológicos
 
 
 
 
Clima
 
 
Poeira marciana pode ajudar a explicar perda de água no planeta
* Clique na imagem, para ampliá-la.
 

A poeira não é apenas um incômodo doméstico; também é um problema planetário, particularmente em Marte. Antes que os astronautas visitem o Planeta Vermelho, precisamos entender o impacto que as partículas de poeira, que frequentemente ocupam a atmosfera, têm no ser humano e no seu equipamento.

A tempestade global de poeira marciana do verão de 2018 - a que diminuiu a luz solar durante semanas e colocou o famoso rover Opportunity fora de ação - forneceu uma oportunidade de aprendizagem sem precedentes. Pela primeira vez, os humanos tinham oito veículos em órbita de Marte ou percorrendo a sua superfície - o maior grupo de exploradores robóticos a assistir a uma tempestade global de poeira.

Os cientistas de todo o mundo ainda estão analisando uma grande quantidade de dados, mas os relatórios preliminares incluem informações sobre como as grandes tempestades de poeira podem ter afetado a antiga água marciana, os ventos e o clima, e como podem afetar o clima e a energia solar no futuro.

As tempestades marcianas de poeira são comuns, especialmente durante a primavera e verão no hemisfério sul. Tendem a durar alguns dias e podem cobrir regiões do planeta do tamanho dos Estados Unidos. Mas as que englobam o planeta são imprevisíveis, por vezes permanecendo durante meses. Por quê? "Ainda não sabemos o que impulsiona a variabilidade, mas a tempestade de 2018 nos dá outro ponto de dados," diz Scott Guzewich, cientista atmosférico do Centro de Voo Espacial Goddard da NASA em Greenbelt, no estado norte-americano de Maryland, que lidera a investigação da NASA sobre a tempestade de poeira.

A NASA viu uma tempestade global de poeira, pela primeira vez, em 1971, quando a Mariner 9 - a primeira sonda a orbitar outro planeta - chegou ao Planeta Vermelho, e este estava coberto de poeira. Desde então, viu tempestades globais em 1977 (duas vezes), 1982, 1994, 2001, 2007 e 2018.

Aqui estão algumas coisas, observadas do espaço e a partir do solo durante a recente tempestade global, que ajudaram a resolver algumas questões em aberto e levantaram novas:

Podem as tempestades globais de poeira ter dissipado a água do planeta?

Os cientistas descobriram muitas evidências de que Marte já teve rios, lagos e até mesmo oceanos de água há bilhões de anos. Os leitos de rios secos, antigas linhas costeiras e química, superficial salgada, todas estas características contam como pistas. Mas por que é que desapareceu grande parte da água? E como? "A tempestade global de poeira pode dar-nos uma explicação", diz Geronimo Villanueva, especialista em água marciana do Centro de Voo Espacial Goddard da NASA.

Villanueva trabalhou com colegas da ESA e da agência espacial russa, Roscosmos, para confirmar que as poderosas tempestades globais de poeira parecem elevar vapor de água da sua típica altitude de 20 quilômetros acima da superfície marciana para altitudes muito maiores, pelo menos 80 quilômetros. A sonda MRO (Mars Reconnaissance Orbiter) da NASA observou um fenômeno semelhante em 2007.

Ao empurrar água para a atmosfera superior, as tempestades globais de poeira podem interferir com o ciclo de água do planeta, impedindo com que se condense e caia de volta para a superfície. Na Terra, a água cai como chuva ou neve. O mesmo processo pode ter existido em Marte há bilhões de anos.

A altitudes mais elevadas, onde a atmosfera marciana é especialmente tênue, a radiação solar pode facilmente penetrar para quebrar as moléculas de água e "soprar" os seus componentes químicos para o espaço, especulam Villanueva e colegas. "Quando trazemos água para as partes mais altas da atmosfera, fica muito mais fácil de expulsar," explica Villanueva, que passou a sua carreira reunindo a história da água em Marte.

Villanueva e colegas relataram, no dia 10 de abril e na revista Nature, que encontraram evidências do recuo do vapor de água usando a ExoMars TGO (Trace Gas Orbiter) em Marte, uma sonda da ESA e da Roscosmos. O orbitador mediu moléculas de água a diferentes altitudes antes e depois da tempestade de 2018. Os cientistas viram, pela primeira vez, que todos os tipos de moléculas de água (existem tipos mais leves e mais pesados) alcançaram a "região de escape" da atmosfera superior, o que foi uma importante observação de como a água pode estar desaparecendo de Marte. Agora, diz Villanueva, os cientistas terão que levar em conta essa nova informação nas suas previsões sobre a quantidade de água que fluía no passado de Marte e quanto tempo demorou para desaparecer.

As tempestades globais de poeira não parecem remodelar significativamente as dunas de areia

Para os cientistas que rastreiam o movimento das dunas de areia pela superfície, as tempestades globais de poeira forneceram evidências críticas na sua investigação dos padrões de vento no Planeta Vermelho. Apenas os ventos fortes, durante uma tempestade global de poeira, seriam capazes de mover as grandes dunas do planeta, pensavam os cientistas, dado que a atmosfera superfina de Marte faz com que o vento com velocidades de 160 km/h pareça uma mera brisa. Ainda assim, imagens de satélites e "landers", ao longo das décadas, revelaram que a areia marciana move-se a toda hora, o que implica que não precisa de fortes rajadas para que isso aconteça.

Isto foi uma surpresa para os investigadores.

Agora que os cientistas finalmente conseguiram assistir a uma tempestade global de poeira a partir do chão, através dos olhos do rover Curiosity da NASA, notaram outra característica surpreendente do vento marciano: rajadas fortes não parecem mover a areia mais do que o normal. "Isto contribuiu para o mistério geral de como o vento se comporta em Marte," afirma Mariah Baker, estudante de doutorado da Universidade John Hopkins em Baltimore, Maryland, EUA, que ajuda a acompanhar as mudanças nas ondulações da areia marciana.

A análise contínua de todo o globo marciano revelará se a Cratera Gale, onde o Curiosity se encontra, era única. Afinal de contas, o coração da tempestade situava-se por cima do rover Opportunity, que estava vagueando do outro lado do planeta. Além disso, o vento pode comportar-se de maneira diferente dentro da Cratera Gale, realçam os cientistas. "Será que estávamos protegidos?" acrescenta Guzewich. "É possível."

Caso se confirme que as dunas de areia não mudaram muito em Marte durante a tempestade, poderá haver uma boa razão, diz Baker: "Os ventos que sopram na atmosfera podem não ser os mesmos que os ventos à superfície." Alguns cientistas pensam que quando a poeira é levantada para a atmosfera durante uma tempestade global, impedindo a luz solar de atingir a superfície, ela desliga o processo de produção de vento próximo do solo, que, sob condições normais, é induzido por flutuações de temperatura entre o ar e a superfície.

Seja qual for a razão, entender o comportamento das dunas de areia de hoje pode ajudar-nos a revelar o clima antigo de Marte, salienta Baker: "Podemos estudar os arenitos moldados pelo vento, à superfície, e observar as dunas que se movem agora e dizer, 'OK, o que é que isto nos diz sobre as condições que aqui estavam há bilhões de anos atrás, quando estas dunas se moviam e que agora estão cimentadas no registro rochoso?'"

As tempestades de poeira eliminam os diabos marcianos

Os diabos marcianos, colunas giratórias de ar e poeira, são comuns em Marte. Formam-se quando o ar quente da superfície sobe, criando uma corrente de ar que forma um redemoinho. Estes diabos são úteis para limpar a poeira dos painéis dos módulos alimentados a energia solar, como o InSight, quando passam por eles. Assim, é importante entender com que frequência ocorrem.

O rover Curiosity é alimentado por uma bateria nuclear, que permite recolher dados enquanto o Opportunity hibernava, com o mínimo de luz solar atingindo os seus painéis. Através do Curiosity, aprendemos que os diabos marcianos desaparecem durante uma tempestade de poeira, exatamente quando mais precisamos deles, e também durante meses. Isto ocorre devido a uma interrupção no mesmo processo de criação de vento que pode afetar o movimento das dunas de areia.

Guzewich diz que entender o impacto de uma tempestade global de poeira nos diabos marcianos é importante para o planejamento de como alimentar equipamentos durante as futuras missões marcianas: "Precisamos estar preparados para passar algum tempo sem que o próximo diabo marciano apareça e nos limpe."

 
 
+ Notícias
 
 
grafitecom@gmail.com | (51) 3249.3700 – 99924.5300