Café com Ufos
 
Livros - Lançamentos e Dicas de Leitura
 
Entrevistas com Autores
 
Fotos de OVNIs
 
Casos Ufológicos
 
Galeria de Fotos
 
Vídeos Ufológicos
 
 
 
 
Clima
 
 
Cientistas suspeitam que cataclismo no Sistema Solar possa ter destruído civilização
* Clique na imagem, para ampliá-la.
 

Uma das principais questões abertas da astrobiologia é se existe vida agora ou já extinta em outro lugar do Sistema Solar. Alguns cientistas, como o astrofísico da Universidade Estadual da Pensilvânia, Jason Wright, membro do Center for Exoplanets and Habitable Worlds, consideraram a possibilidade de que uma espécie tecnológica pudesse ter existido no Sistema Solar antes da ascensão da humanidade na Terra.

Em 2016, Wright escreveu um artigo que discutia possíveis origens e locais para ?identificações tecnológicas? de tal civilização, enquanto outros astrônomos sugeriram procurar por luzes nos objetos do Cinturão de Küiper que "podem servir como um poste de luz que sinaliza a existência de tecnologias extraterrestres e civilizações".

Wright afirma:
A resposta mais óbvia é um cataclismo, seja um evento natural, como um impacto de asteroide em nível de extinção, ou autoinfligido, como uma catástrofe climática global.

No caso de uma espécie anterior com capacidade de ocupação espacial que se estabeleceu no Sistema Solar, tal evento apenas extinguiria permanentemente as espécies se houvesse muitos cataclismos através do Sistema Solar quase ao mesmo tempo (um enxame de cometas ou uma guerra interplanetária, talvez), ou se os assentamentos não fossem completamente autossuficientes, ou uma explosão de raios gama próxima ou supernova poderiam produzir um cataclismo em todo o Sistema Solar.

Do ponto de vista puramente científico, observa Wright, é uma pergunta perfeitamente razoável indagar se a vida pode ter existido em outras partes do Sistema Solar ou se hoje ainda existe.

Essa é, cada vez mais, uma das razões de ser da NASA. Mas quando o congressista Dana Rohrabacher pergunta sobre uma tal civilização existente há milhares de anos em Marte e atribui a questão a "algumas pessoas", é justificável manter a questão sob escrutínio.

Implícito em grande parte desse trabalho, diz Wright, é que estamos procurando por uma vida microbiana ou, na melhor das hipóteses, sem inteligência, mesmo que os artefatos tecnológicos sejam muito mais fáceis de encontrar. Se uma espécie tecnológica anterior, talvez espacial, alguma vez surgiu no Sistema Solar, ela poderia ter produzido artefatos ou outras assinaturas tecnológicas que sobrevivessem até os dias de hoje, diz Wright.

No caso de Vênus, a chegada de sua estufa global e potencial modificação em sua superfície poderia ter apagado todas as evidências de sua existência na superfície venusiana. No caso da Terra, diz Wright, a erosão e, em última análise, a tectônica de placas poderia ter apagado a maioria dessas evidências se a espécie viveu no passado.

Acredita-se que as assinaturas tecnológicas remanescentes sejam extremamente antigas, sugere Wright, limitando os locais que ainda podem ser encontrados sob as superfícies de Marte e da Lua, ou no Sistema Solar externo.

 

Fonte: ovnihoje.com

 
 
+ Notícias
 
 
grafitecom@gmail.com | (51) 3249.3700 – 99924.5300