Escolha uma Página

Outro objeto misterioso acaba de colidir com Júpiter

O impacto foi registrado logo acima do equador de Júpiter. 

Crédito: yotsuyubi21

Um astrônomo japonês registrou um grande brilho em Júpiter, que foi provavelmente o resultado da colisão de um objeto espacial desconhecido com o planeta.

O primeiro a anunciar o fenômeno incomum foi um astrônomo amador japonês conhecido no Twitter pelo apelido de yotsuyubi21. Ele fotografou uma explosão na Zona Tropical Norte de Júpiter, que se acredita ser uma erupção de choque do impacto de um objeto espacial desconhecido com a superfície daquele planeta.

A notícia sobre o impacto foi recebida pela comunidade científica com grande interesse e atenção, já que algo semelhante aconteceu em 13 de setembro de 2021. Naquela época, vários astrônomos de diferentes localidades ao redor do mundo conseguiram filmar o impacto ao mesmo tempo.

Surpreendentemente, um novo impacto em Júpiter foi registrado apenas um mês após o impacto anterior. Agora as imagens recebidas passam por um procedimento de avaliação independente. Aparentemente, o objeto que atingiu o planeta desta vez era menor, porque o clarão que causou foi insignificante se comparado ao do mês passado.

Se a hipótese de um novo impacto em Júpiter for confirmada, então este será apenas o 11º impacto registrado de um cometa ou asteroide em um gigante gasoso desde 1994. Naquele ano, fragmentos do cometa Shoemaker-Levy 9 colidiram com Júpiter. O evento de 1994 estava previsto, por isso foi assistido por todos os observatórios profissionais do mundo.

A equipe de Arimatsu confirmou que o impacto em Júpiter ocorreu na Zona Tropical Norte do planeta. De acordo com o vídeo, que também foi gravado no modo automático, o flash durou cerca de quatro segundos. A partir da descrição, segue-se que apareceu de repente, queimou intensamente por cerca de dois segundos e, em seguida, desapareceu rapidamente.

De acordo com algumas estimativas, uma média de 6,5 objetos de 10 metros de diâmetro ou mais caem sobre o gigante gasoso anualmente, ou seja, grandes o suficiente para serem detectados por astrônomos amadores. Outros dados sugerem que objetos com cerca de 50 metros de diâmetro podem estar caindo no planeta uma vez a cada poucos meses. O problema é que é difícil captar esses impactos, mesmo com o sistema de monitoramento mais sofisticado.

Confira nosso canal no Youtube!

Faça sua doação ao Fraternidade Cósmica!

Nosso grupo precisa do seu apoio para que possamos oferecer a vocês os melhores conteúdos e eventos sobre Ufologia e Espiritualidade! Qualquer ajuda é bem-vinda